LUMINOSIDADE

Necessariamente, todas as plantas precisam de luz direta ou ao menos indireta para sobrevivência. A correta avaliação das condições de claridade de seu ambiente é condição primordial para o êxito de sua escolha, beleza e crescimento da muda. Existem plantas mais indicadas para cada situação. Converse com um de nossos atendentes que estão aptos para lhe auxiliar.

Ex: Plantas com folhas escuras normalmente se adaptam melhor em ambientes mais sombrios.

REGA

A umidade do vaso é um dos fatores mais importantes para que a planta se desenvolva com saúde e esteja mais resistente a pragas.Em jardins, deve-se ter um cuidado especial nas primeiras semanas de plantio com regas mais freqüentes, de preferência pelo início da manhã, se possível; ou no final da tarde. Já nos vasos em áreas internas, a rega varia de 01 a 03 vezes por semana oscilando de acordo com o tipo de plantas, insolação e estação do ano.O ideal é testar a umidade da terra para acertar a rega.

PLANTIO

Este é o fator preponderante para a sadia permanência e desenvolvimento da muda. O ideal é não desmanchar o torrão que envolve as raízes, diminuindo assim o stress do plantio. Drenagem, adubação, manutenção adequada e um bom composto orgânico também são importantes para que a planta se mantenha sempre vistosa e em seu melhor estado, mesmo em épocas excessivamente quentes ou frias.

ORGÂNICO X QUÍMICO

Prefira adubos orgânicos agem de forma mais sustentada e equilibrada.Químicos têm a concentração mais forte, use-os para cultivos em solos comprovadamente pobres ou quando a planta estiver com deficiência nutricional específica.

O QUE SIGNIFICA E ONDE AGE CADA ELEMENTO

O nitrogênio (N) estimula a brotação e o enfolhamento. O fósforo (P) é responsável pela produção de energia incentivando a floração e a frutificação. O potássio (K) fortalece os tecidos vegetais tornando as plantas mais resistentes as pragas e ao frio, além de atuar no crescimento das raízes.

ÀGUA SOBRE ADUBO

Sempre regue depois de adubar principalmente após aplicações de adubos químicos solúveis. A água ajuda a diluir o produto e melhorar sua incorporação ao solo.

PEDRAS NO CHÃO

Se você tem árvore plantada em um gramado que está todo falhado devido a sombra, não insista. Retire a grama de baixo e cubra a região com pedras ornamentais ou folhagens que se desenvolvam bem na sombra.

REGADOR IDEAL

Prefira regadores de clivo fino para aguar as plantas, pois ele diminui o volume de água que recai sobre elas. Ainda assim, procure verter os jatos iniciais, sempre mais fortes, fora do local de rega. Com isso, você evita quebras de ramos e buracos no solo.

CONDUZINDO TREPADEIRAS

Assim que a trepadeira atingir a altura desejada, corte um palmo da ponta mais alta para estimular brotações laterais. A partir daí, basta amarrar a trepadeira onde você quer que ela suba.Para fazer condução de trepadeiras, você pode utilizar treliças, buchas com parafusos e linhas, cercas e pergolados.

PARA QUE SERVE CADA TIPO DE PODAS

Poda de florescimento e frutificação: prepara a planta para que no próximo ano ela produza mais. Trata-se de eliminar os ramos que produziram no ano anterior. É comum em azaléias, rozeiras e hortênsias. Poda de formação e manutenção: dá forma a planta quando jovem. Exige manutenção toda semana durante a primavera e o verão, e a cada 15 dias nas estações frias. É comum em frutíferas, como laranjeiras e o pessegueiro uma vez ao ano em média, e em plantas ornamentais, como o buxinho e o hibisco são mais frequëntes. Pode ser de limpeza ou fitossanitária: pode ser feita em todas as plantas e serve para eliminar galhos secos, doentes e mal formados.

EM VASO

Você pode cultivar frutíferas como acerola, laranja, pitanga e jabuticaba em vaso. Mas será preciso podá-las depois de cada frutificação para que as plantas não ultrapassem muito a larguras dos vasos em relação ao espaço de torrão disponível. Na mesma época, convém retirar o torrão do vaso e cortar as raízes que estiverem enrolando. Também se fazem necessárias renovações de solo e podas de condução e renovação do sistema radicular anual ou bienalmente conforme o caso.

PLANTAS SEM LUZ

Sintomas - os caules crescem demais, as folhas velhas se alongam e as folhas novas, ou não nascem, ou são raras e descoloridas. Causas prováveis – pouca luz e excesso de nitrogênio provocado por superadubação. Solução – coloque a planta num lugar mais iluminado e suspenda as adubações.

PLANTAS COM SEDE

Sintomas – as pontas das folhas endurecem, murcham, encolhem e secam; e as inferiores amarelam e caem. Causa provável – pouca água. Solução – regue até que a água escorra pelo fundo do vaso pelo furo de drenagem. Não regue até o solo drenar um pouco.

PLANTAS SEM FLORES

Sintomas – a planta apresenta folhagem vistosa, mas floresce pouco ou nem chega a florescer. Causas prováveis – Excesso de adubo, em especial do elemento nitrogênio, ou então o vaso pode estar pequeno para a planta. Solução – evite adubos ricos em nitrogênio durante o crescimento da planta. Opte pela farinha de osso. Procure também passar a planta para uma vaso maior. Outra causa comum nestes casos é a insuficiência de luminosidade.

VASO NOVO

De tempos em tempos, as orquídeas precisam de vasos novos e principalmente observar a correta drenagem e aeração de solo proporcionada pelo seu substrato. Primeiro porque os nutrientes esgotam e segundo, porque os vasos podem ficar pequenos diante do desenvolvimento da planta impossibilitando a plena sustentação das raízes.

EFETUE CORTES DE GRAMA COM FREQUENCIA QUINZENAL NA PRIMAVERA E VERÃO

Cortando apenas 1/3 da altura total das folhas de cada vez, pois cortes muito baixos prejudicam a rebrotação da grama. Este cuidado se acentua no outono e inverno e o crescimento é mais lento, abrindo espaço para proliferação, no solo descoberto, por ervas daninhas.

VASOS DE CIMENTO EXIGEM MANUTENÇÃO PERIODICAMENTE

É natural a necessidade de lixar e repintar com freqüência vasos de cimento para que se recubram pequenas fissuras e se tenha um aspecto renovado por um maior período de durabilidade.

MUITO CUIDADO COM A DRENAGEM DE VASOS E FLOREIRAS

Sobretudo floreiras fixas. Quando o processo não é bem feito, pode ocasionar acumulo de água, que pode vir a causar a morte da planta.

DENTRO DO POSSÍVEL

Use “coberturas” em vasos e floreiras. Evitem respingos na rega, retém a umidade e garantem um interessante padrão estético.

AO INSTALAR VASOS EM COBERTURA

Observe o formato/base e o diâmetro do vaso em comparação à altura da planta. Uma desproporção muito grande (planta alta e vaso pequeno) acaba normalmente por ocasionar o tombamento em relação de ventos fortes, além do que, o maior volume de terra, torna as regas menos freqüentes.

RECOMENDA-SE O USO DE PRATOS QUANDO DA INSTALAÇÃO DE VASOS

Dependendo do ambiente, não marcam o revestimento pelo efeito da umidade e fornecem com acabamento ao conjunto. Recomenda-se a sua utilização fundamentalmente em ambientes cobertos e protegidos das intempéries.

NORMALMENTE AO SE REALIZAR PLANTIOS EM VASO

Floreiras ou mesmo canteiros, é natural que exista uma pequena variação para baixo no nível de terra, que ocorre em função da compactação do material.

LOGO EM SEGUIDA A QUALQUER CONCLUSÃO DE PLANTIO

Regue intensamente a vegetação. Assim diminuimos o “trauma” de adaptação da planta. Também como isso, aceleramos a fixação da planta ao novo solo, eliminando o excesso de aeração e mantendo uma umidade adequada constante, sobretudo neste período inicial.

FAÇA MANUTENÇÃO – “A PLANTA É UM ENTE VIVO”

Tão importante quanto a escolha das espécies adequadas para cada ambiente, cuidadoso transporte, criterioso manuseio e plantio, é indispensável prever um plano de manutenção desde a implantação de uma área verde ou conjunto de vasos e floreiras. Via-de-regra, recomenda-se que este trabalho seja realizado quinzenalmente, em alguns casos mensalmente. Consiste em podas, adubações específicas, tratamento de pragas, afofamento de solo, reposição de compostos orgânicos, corte de grama, retirada de inços e ervas daninhas (que possuem várias maneiras de propagação, se não devidamente controladas podem atingir níveis críticos), troca de mudas de época, reposicionamento de mudas, etc... O tratamento profissional, com conhecimentos, produtos e ferramentas adequadas é fundamental para que o projeto inicial mantenha sua beleza e características peculiares. Em resumo, uma correta manutenção faz a diferença no sentido de se ter uma área verde que progressivamente ganha mais imponência e destaque. A falta de cuidados com esta (composta de seres vivos), pode provocar perda de espécies e declínio contínuo de seu aspecto.